Extraia o melhor dos dados do Enem

O Exame Nacional do Ensino Médio foi criado em 1998 pelo Ministério da Educação (MEC) e vem sendo aplicado anualmente pelo Inep. Mas foi só a partir de 2009 que o país realmente começou a dar importância à prova, devido ao seu uso para ingresso nas universidades pública e privadas, além de estudos no exterior. Mas será que o Enem só interessa ao aluno?

O que é o Enem para o aluno e para as escolas?

Os benefícios do Enem para o aluno são bem claros. Com a prova, pessoas com mais de 18 anos podem obter a conclusão do ensino médio. O exame ainda é pré-requisito para programas como SiSU, para entrar na universidade pública, ou ProUni e Fies, que financiam a mensalidade na faculdade privada. Desde 2011 o programa Ciências sem Fronteiras também usa o Enem para selecionar alunos para bolsas no exterior.

Mas a escola também é beneficiada com o Enem. Desde 2009 a prova do Enem incorporou dois aspectos muito relevantes: uma matriz de competências e habilidades, e a TRI. Isso possibilitou a comparação de resultados ao longo dos anos e também a identificação do nível de aprendizado dos alunos por habilidades e competências. Esse diagnóstico gratuito é ainda mais relevante, já que também é possível compará-lo a milhares de outras escolas do país.

Por isso, se sua escola não se preocupa com o Enem, talvez seja a hora de dar mais atenção à avaliação.

Como a escola pode ter acesso aos resultados do Enem?

O pessoal do Blog do +Enem explica como os dados do Enem são divulgados. O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) divulga os dados em seu site caso a escola atenda aos critérios para a divulgação dos mesmos.

A imprensa também é uma fonte de dados, e por isso é tão importante que a escola se atente, afinal, em caso de bons resultados, essa é uma exposição gratuita do estabelecimento na mídia.

O Inep ainda divulga os microdados, que oferecem informações detalhadas sobre o perfil dos alunos que fizeram a prova e seu resultado questão por questão, sem entretanto identificá-lo nominalmente.

O MEC ainda disponibiliza uma tabela com dados de médias de cada escola com dados regionalizados. A imprensa costuma usar esses dados para fazer rankings, mas a própria escola pode aproveitar para se conhecer melhor.

As médias do Enem

Diferente dos microdados, as tabelas de médias do Enem são liberadas mais cedo. Elas são disponibilizadas pelo MEC/Inep para a imprensa e para a população. Com ela, fica fácil de ver quais são os pontos fortes e fracos da sua escola e das concorrentes.

A tabela contém os seguintes indicadores: ranking geral, estado, município, tipo de rede (municipal, estadual, federal ou privada), nome da escola, indicador socioeconômico (de muito alto a muito baixo), média da escola: geral, por área do conhecimento e redação.

Como usar as médias

Tome cuidado, entretanto, com o valor absoluto da média. Ele, sozinho, pode enganar. Afinal, não é real comparar uma escola de INSE (indicador socioeconômico) Muito Alto com uma de nível menor. Pesquisas recentes, realizadas com dados do Enem, indicam que até 75% dos resultados de uma escola estão relacionados ao nível socioeconômico dos alunos. Então o mais indicado é compara resultados entre escolas de mesmo NSE.

Também é importante buscar escolas de contexto geográfico semelhante. Ou seja: procure comparar com escolas do mesmo estado ou região.

O número da média precisa de contexto para uma comparação assertiva. Mas é complicado chegar nesse contexto apenas observando a tabela, cheia de números, ordenando apenas por uma das variáveis, já que muitas vezes precisamos de mais de um: como foram as escolas de determinada cidade, dentro de tal estado, onde o índice socioeconômico é tal?

Pensando nisso o pessoal do +Enem criou um e-book gratuito, mostrando as escolas que tiveram o melhor desempenho no Enem, divididas por região do país, nível socioeconômico, por matrículas e taxa de participação. Será que você está longe dos seus concorrentes reais?

Cadastre-se para receber o e-book no seu e-mail

Comunicadora social por formação, programadora front-end por profissão, navega entre os universos das Humanas e das Exatas dando seus pitacos aqui e acolá.

Comentários

comentário(s)