Duas histórias que jornalistas podem contar utilizando dados do QEdu

Dados e evidências são essenciais para se contar uma boa história jornalística. E um dos objetivos do Portal QEdu, ao darmos acesso gratuito e descomplicado aos indicadores educacionais, é fazer com que o debate sobre a educação no Brasil seja mais qualificado e relevante. Este objetivo é compartilhado com jornalistas, que utilizam o seu trabalho para contar histórias que gerem transformações positivas para a sociedade, em temas importantes como a educação.

Pensando nisso, sugerimos duas histórias a serem contadas por jornalistas, utilizando dados que podem ser extraídos diretamente do QEdu:

1. Distorção entre a idade e a série dos estudantes

A distorção idade-série é a proporção de alunos com mais de 2 anos de atraso escolar. No Brasil, a criança deve ingressar no 1º ano do ensino fundamental, idealmente, aos 6 anos de idade, permanecendo no Ensino Fundamental até o 9º ano, com a expectativa de que conclua os estudos nesta modalidade até os 14 anos. O cálculo da distorção idade-série é realizado a partir de dados coletados no Censo Escolar, pois todas as informações de matrículas dos alunos são capturadas, inclusive a idade deles.

Quando o aluno reprova ou abandona os estudos por dois anos ou mais, durante a trajetória de escolarização, ele acaba repetindo uma mesma série. Nesta situação, ele dá continuidade aos estudos, mas com defasagem em relação à idade considerada adequada para cada ano de estudo, de acordo com o que propõe a legislação educacional do país. Trata-se de um aluno que será contabilizado na situação de distorção idade-série.

Em 2016, 12% dos alunos matriculados da educação básica nos anos iniciais (1º ao 5º ano) estavam com distorção idade-série. Já nos anos finais (6º ao 9º ano), este número sobe para 26%. E no Ensino Médio, este valor aumenta para 28% dos estudantes.

Distorção idade-série do Brasil, dados de 2016

Os dados de distorção idade-série na forma como são apresentados no Portal QEdu. Clique e veja mais.

Novos olhares para o tema

Ao tratar sobre a distorção idade-série, o jornalista pode se atentar para a série histórica dos dados. Ao longo dos anos, os números aumentaram ou não? Algum ano letivo específico chama a atenção, pois aumentou ou reduziu seu indicador nos últimos anos? Quais Estados possuem os melhores e piores indicadores e o que pode ter motivado a melhora ou piora dos dados? A partir dessas perguntas, os jornalistas podem se aprofundar nos dados de uma forma mais qualificada.

A partir desse primeiro aprofundamento, alguns especialistas podem ser ouvidos, como diretores escolares que conseguiram superar a distorção idade-série de suas escolas, profissionais de secretaria que se organizaram para resolver este problema e pesquisadores educacionais que buscam entender os motivos que causam essa distorção e seus potenciais danos para a aprendizagem dos estudantes.

Pautas já realizadas sobre o assunto:

 

2. Importância do Ideb para a educação brasileira

O Ideb é o principal indicador da qualidade da educação básica no Brasil. Para fazer essa medição, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) utiliza uma escala que vai de 0 a 10. Criado pelo Instituto Nacional de Pesquisa Educacional Anísio Teixeira (Inep) em 2007, o Ideb sintetiza em um único indicador dois conceitos importantes para aferir a qualidade do ensino no país:

Novos olhares sobre o tema

O Ideb pode servir tanto como uma bússola para apontar necessidades e ajudar uma rede de educação a desenvolver a sua qualidade no ensino, como para direcionar políticas de distribuição de recursos do Ministério da Educação (MEC) e nortear gestores educacionais sobre investimentos e ações. Ao olhar o Ideb, deve-se levar em conta cada indicador que o compõe analisando qual o impacto do aprendizado (em português e matemática) e o do fluxo (aprovação, reprovação e evasão) naquela nota.

Um novo resultado do Ideb é liberado de dois em dois anos. Os dados do Ideb 2017 serão disponibilizados a partir do segundo semestre de 2018. Neste caso, o jornalista pode analisar, agora, a evolução histórica do Ideb no país, nos Estados e municípios. Além disso, pode verificar se os resultados estão compatíveis com a meta nacional, como é possível verificar na imagem abaixo:

Ideb 2015 no Brasil

Página do QEdu com o os dados do Ideb, evolução do indicador e situação das escolas.

 

Caso queira se aprofundar nos dados, o jornalista pode verificar se o desenvolvimento das escolas em uma região segue o mesmo ritmo, ajudando a localizar pontos de atenção – por exemplo, se há disparidade entre escolas com o mesmo perfil socioeconômico pode ser que alguma tenha feito ações mais ou menos eficientes que as outras.

Pesquisadores que estudam o impacto de avaliações educacionais podem ser ouvidos para qualificar o debate em relação a este assunto. Secretários de educação e diretores escolares que utilizaram estratégias inovadoras para melhorar seus indicadores também são um público muito importante de serem ouvidos e que podem inspirar os leitores a agirem para melhorar suas realidades educacionais.

Novos olhares sobre o tema

Outros dados encontrados no Portal QEdu

No Portal QEdu, você ainda pode encontrar dados sobre o número de matrículas e a infraestrutura das escolas brasileiras, questionários socioeconômicos aplicados aos gestores, professores e estudantes durante a Prova Brasil e a porcentagem de jovens que estão com o aprendizado adequado. Esta gama de dados podem gerar diversas histórias jornalísticas. Navegue por nosso portal e encontre mais dados e evidências que ajudarão você a mostrar para seus leitores a importância da educação e a necessidade de todos trabalharmos, em conjunto, para melhorar nossa realidade educacional.

E se você já realizou alguma pauta utilizando dados sobre o QEdu, envie para nós! E qualquer dúvida que tenha sobre os dados que disponibilizamos no portal, mande um e-mail para ajuda@qedu.org.br que vamos te ajudar. Queremos ser seus parceiros na hora de contar histórias que podem auxiliar na transformação positiva da educação brasileira.

Dorly Neto
Dorly é Growth Hacker do QEdu. Busca sempre alinhar tecnologia e sensibilidade para contar boas histórias e encantar as pessoas.

Comentários

comentário(s)